Opinião

"Lula precisa defender imagem de mediador"

Chamar Lula de radical é ignorar mandatos. Aliados precisam afastar a imagem de radicalismo da candidatura de Lula

<b>Reprodução</b> Lula
Reprodução Lula
Por Rodrigo de Almeida - Poder360
Publicado em 13/01/2018

Enquanto tentam escancarar as contradições e arbitrariedades do julgamento de Luiz Inácio Lula da Silva, o PT e aliados do ex-presidente precisarão trabalhar muito em defesa do que o economista Luiz Gonzaga Belluzzo definiu com clareza: “Lula está longe de ser um radical. É um mediador”.

Na lúcida entrevista que deu ao Valor, Belluzzo foi ao ponto certo. Ou melhor, a 2 pontos. Primeiro, sua rejeição à ideia, falsamente difundida nos últimos meses, de que o “Lula 2018” é radical, contraparte exposta ao que representa o deputado Jair Bolsonaro –como se ambos fossem símbolos, em lados opostos e extremos, da mesma face violenta, intolerante, tóxica e a serviço da matança do espírito de quem não concorda com ele.

Bolsonaro é isto. É a expressão (odiosa) do ódio que emerge numa sociedade tipicamente dilacerada como a brasileira destes tempos. Mas colocar Lula como parte da mesma linhagem significa muito mais do que ignorar os oito anos de seu governo (2003-2010). É desonestidade intelectual, malandragem política e oportunismo eleitoral.

Em seu governo, fiel ao seu estilo conciliador, Lula agregou agendas do mercado a políticas sociais, numa estratégia sem trade-offs extremados: estava muito mais para um jogo de ganha-ganha do que para um radicalismo que divide a sociedade entre ganhadores e perdedores. Dois mandatos claramente incrementais, como o são os mandatos das democracias avançadas. No seu caso, sem qualquer medida anticapitalista, mesmo nas mais intervencionistas. Muito menos sem qualquer demonstração de desapreço pelos fundamentos da democracia e da liberdade –por mais que os radicais antilulistas digam o contrário.

O 2º ponto de Belluzzo que merece ser replicado aqui é o seu reconhecimento de que, diante da polarização e da forma como tem evoluído, é ilusório imaginar que a eleição presidencial deste ano possa acomodar tensões. Não pode. As tensões em curso são a expressão política de um conflito que se tornou ainda mais agudo com o retrocesso social deflagrado pela política econômica dos últimos anos.

O prognóstico não deixa de ser sombrio a partir de qualquer decisão do Tribunal Regional Federal, quando se julgará o recurso para avaliar a sentença de 9 anos e meio proferida pelo juiz Sérgio Moro. Se Lula for condenado e, mais tarde, impedido de concorrer, vai crescer a virulência do debate nas redes sociais e nas ruas. Numa eventual vitória do petista –na Justiça e, mais tarde, nas urnas, a reação também promete ser virulenta.

POR UMA MEDIAÇÃO DEMOCRÁTICA

O grande perigo é a ausência de mediação democrática entre os dois polos. Para alguns, a polarização se dá sobretudo entre ricos, bem-nascidos, e os pobres que avançaram nos anos pré-Temer – modestamente, mas avançaram. Mediou-se o conflito com o avanço da democracia e com a ampliação de direitos sociais e econômicos. Para outros, a polarização ocorre entre extrema direita e extrema esquerda, com ambos os lados adotando virulentos discursos contra o outro e a favor de certas práticas. Sem mediação.

Possivelmente a explicação mais complexa e mais adequada é a que mistura diferente combinações. Há, sem dúvida, o componente econômico-financeiro, especialmente numa sociedade conflagrada pelo desemprego e pela desigualdade de renda e de oportunidades. Mas há também a beligerância e a intolerância em práticas, pensamentos e valores cotidianos.

Exemplos disso são a crítica à defesa de minorias, como se significasse a retirada de direito das maiorias; o deboche do politicamente correto, como se significasse meramente a crítica ao politicamente incorreto e o engessamento da vida e dos valores; o tratamento de desperdício e/ou populismo a qualquer política social; o moralismo artificial e oportunista, que vê na política o símbolo do capeta. Do outro lado ideológico, o desprezo ao pensamento conservador; a dificuldade de enxergar possibilidades de um liberalismo que vai além da economia; a tendência à vitimização e às dicotomias.

O Lula não-radical –ou, como escreveu Alberto Carlos Almeida neste Poder360, o Lula “radicalmente moderado”– terá o desafio de conquistar o centro que acredita na mediação democrática entre os 2 polos formados. Isso inclui atrair empresários confiáveis assustados com a beligerância de Bolsonaro e seus artificialismos. Como diz o sociólogo Celso Rocha de Barros, ou o sujeito é liberal, ou apoia Bolsonaro. Afinal, segundo suas palavras, “o teste do liberal sincero é a defesa do liberalismo político, das liberdades individuais, da democracia” –e dos direitos humanos. Coisas que definitivamente não passam pela cabeça e pelo discurso de Bolsonaro.

O Lula “radicalmente moderado”, assim como qualquer outro candidato “não Bolsonaro”, também precisará oferecer respostas críveis para a escalada da violência urbana. Um dos desafios será mostrar aos leitores que não se resolve a criminalidade só com bala e polícia. Convém concordar com o documento Insight-Prospectiva, serviço de análise e construção de cenários produzido pela Insight Comunicação: o medo será um dos grandes cabos eleitorais de 2018. Ali se diz:

“A rigidez no combate à criminalidade em todas a escalas – do menor infrator ao político que desvia milhões em recursos – galvaniza parte relevante dos 144 milhões de eleitores brasileiros. (…) A força da bandeira de Bolsonaro (…) torna-se mais frágil quando se observa que qualquer candidatura pode se apoderar desse mote e roubar-lhe milhares de votos”.

AOS RICOS, AOS POBRES E À CLASSE MÉDIA

O Lula mediador deverá modular suas ações em benefício dos mais ricos, oferecer gestos à classe média tradicional –tolhida no meio do caminho entre os ganhos dos pobres e dos muito ricos– e propor alternativas consistentes para uma reindustrialização abrangente e necessária, para montar projetos eficientes em articulação com o mundo privado, para a intensificação de tecnologias, maior eficiência do Estado e melhoria ampla dos serviços. Tarefas nada fáceis em meio a um estrangulamento fiscal histórico e restritivo.

o contrário do que muitos petistas podem pensar, o mesmo Lula também precisará rever o que tem a dizer e fazer em relação aos pobres. Em abril do ano passado, a Fundação Perseu Abramo, braço intelectual do PT, divulgou pesquisa realizada com um grupo de eleitores pobres da periferia de São Paulo que deixaram de votar no PT após 2010. Os entrevistados disseram não se considerar vítimas de exploração pelos patrões num contexto de luta de classes. Pobres e ricos, concluíram, são vítimas de um inimigo comum: um Estado que lhes cobra impostos mas não presta serviços pelos quais a população paga. Evitar o maniqueísmo sobre o indivíduo, a família, a religião e a segurança.

Antes disso, ou em meio a tudo, há a mão punitivista da Justiça.

Rodrigo de Almeida, 42 anos, é jornalista e cientista político. Foi diretor de jornalismo do iG e secretário de Imprensa de Dilma. É autor de "À sombra do poder: bastidores da crise que derrubou Dilma Rousseff". (11/12018)