Opinião

Pois é

Lembre-se que receber 21 milhões de visitantes estrangeiros por ano é uma vitória importante para Portugal de 10 milhões de habitantes

<b>Reprodução</b> Lisboa
Reprodução Lisboa
Por Mauro Lobo - Correspondente em Portugal
Publicado em 25/06/2017

Lisboa - Portugal deve receber 21 milhões de visitantes estrangeiros, em 2017, segundo previsão da Secretaria de Estado do Turismo, dados confirmados pela Camara de Vereadores de Lisboa, cidade para a qual convergirá mais de 70 por cento dos viajantes. Os números impressionam sob todos os aspectos de análise em retrospecto: aumentam em 13 por cento, em relação ao ano anterior, e pulam para 19 por cento na comparação a 2015.

Portugal e, especificamente, Lisboa, entrou na moda do gigantesco negocio do turismo por um carrossel de fatores, a destacar o bom clima, na media do inverno europeu; a segurança urbana, os preços relativos menores que os dos países de origem, a riqueza da historia. O Euro como moeda única dos 27 países da União Europeia não assegura que o custo de vida em um país-membro seja equivalente ao de outro. Verifica-se o que os economistas, naquela linguagem empolada, querem dizer sobre a velha realidade do custo de viver, o que se compra o quê com quanto... O Euro é o mesmo padrão monetário, mas o Euro trazido por alemães para Portugal tem um valor adicional diante do custo de vida dos portugueses... É menor, sabidamente menor.

O turismo tem sido uma alavanca importante do crescimento da economia de Portugal. As idas e vindas de gentes e povos ao redor do mundo explicam a difusão do conhecimento, mas também a expansão do comercio e da indústria portuguesas. Tardiamente, o mundo se curva aos feitos de Portugal, sem os quais a realidade terrestre se resumiria a teorias pré-Galileu.

Os jornais e televisões de alcance mundial, como o New York Times e a rede CNN, ajudaram nesse build up repentino de Portugal como destino preferencial dos viajantes. Quem viu Lisboa faz 20, 30 anos atrás não mais a reconhece, por mudanças nos aspectos gerais do urbanismo dos prédios e fachadas. Tudo parece novo, mas somente parece, a essência da historia se preservou, como assim devia ser feito.

A persistir esse ritmo de crescimento do turismo, Portugal enfrentará problemas. Sérios problemas, a começar do aeroporto internacional, quase no limite operacional. Esse constitui um tema recorrente, com teses pró e contra a ampliação do atual Portela de Sacavem, ou a construção de um novo terminal, cuja localização oscila de acordo com a preferencia dos técnicos ou políticos.

Lembre-se que receber 21 milhões de visitantes estrangeiros é uma vitória importante para este pais de 10 milhões de habitantes. Uma nação machucada por uma ditadura que perdurou por décadas. E que isolou o povo e a nação portuguesa do restante do mundo, tornando a ambos solitários sobreviventes de uma cripta cruel.

Rápida pesquisa de rua comprovou, entre os turistas identificados como brasileiros, que o fator segurança urbana era o motivo de alegria por se sentir bem em Lisboa. Se indagado a respeito de uma eventual mudança definitiva para Portugal, a resposa foi quase unanime: sim, mudaria. A pequena variação negativa, em termos, decorreu de fatores limitantes como saúde de família ou existência de filhos menores.

Mauro Lobo, jornalista brasileiro, vive atualmente em Portugal.