Mundo

Trump quer guerra. Terremoto causa destruição no México

Trump vai à ONU e ameaça ‘destruir’ a Coreia do Norte.Terremoto deixa ao menos 147 mortos no México

<b>Reprodução</b> Donald Trump
Reprodução Donald Trump
Por Folha de S. Paulo - O Estado de S. Paulo - O Globo
Publicado em 20/09/2017

O presidente dos EUA, Donald Trump, fez sua estreia na ONU com um discurso nacionalista e belicoso, no qual ameaçou “destruir totalmente” a Coreia do Norte, atacou os governos de Irã, Venezuela e Cuba e fez uma defesa enfática de Estados soberanos fortes. “A Coreia do Norte tem de reconhecer que a desnuclearização é seu único futuro aceitável”, disse Trump, que se referiu ao ditador Kim Jong-un como “homem- foguete em missão suicida”. As palavras “multilateralismo” e “negociação” não foram mencionadas, escreve O Estado de S. Paulo. O presidente Michel Temer também discursou. A visão tacanha de Trump  - A retórica inflamada de Trump nada tem a ver com o que se espera de um estadista.
Na ONU, Trump ameaça destruir a Coreia do Norte
Em discurso na Assembleia Geral da ONU, o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou “destruir totalmente” a Coreia do Norte se o ditador Kim Jong-un, que tem promovido testes com mísseis, continuar a ameaçar seu país e aliados. No mesmo evento, o presidente Michel Temer disse que no último ano o Brasil reduziu mais de 20% do desmatamento na Amazônia, reporta a Folha de S. Paulo. Ele não citou a crise política no país. Em 2016, Amazônia perdeu mais área verde que em 2015.
Trump faz discurso belicoso na ONU e alarma o mundo
Americano ameaça ‘destruir totalmente’ a Coreia do Norte 

Ataques a acordo nuclear com Irã e a Cuba também provocam reação até de líderes de países aliados dos EUA; Macron diz que manter tratado com iranianos é ‘essencial para a paz’ e defende multilateralismo. Até líderes de países aliados dos Estados Unidos condenaram o discurso do presidente americano, Donald Trump, na Assembleia Geral da ONU. Em tom agressivo, estranho a um fórum multilateral, Trump ameaçou “destruir totalmente” a Coreia do Norte, país de 25 milhões de habitantes; atacou o acordo nuclear com o Irã, que classificou de “embaraço para os EUA”; e sugeriu que agirá contra o governo do venezuelano Maduro. O Globo escreve que a reação mais imediata foi do francês Macron, que defendeu “o bom” acordo com o Irã e disse que a França segue acreditando no diálogo com os norte-coreanos. Já o israelense Netanyahu apoiou Trump. 

Novo tremor no México causa morte e destruição
Sismo próximo à capital matou mais de cem; 12 dias antes, 98 morreram. Doze dias após tremor no sul do país, um abalo de magnitude 7,1 atingiu ontem a Cidade do México e mais seis Estados. A tragédia, que deixou ao menos 149 mortos, coincidiu com o dia em que se completaram 32 anos do sismo que matou 10 mil. De acordo com o Itamaraty, não havia registro de brasileiros entre os mortos. O tremor derrubou pontes e passarelas, abriu fenda no acesso a terminal do aeroporto e causou rachadura no teto do estádio Azteca. Na hora do abalo, segundo a Folha de S. Paulo, o presidente Enrique Pena Nieto viajava a Oaxaca, Estado mais afetado no dia 7.

Terremoto deixa ao menos 147 mortos no México
Um terremoto de 7,1 graus na escala Richter atingiu o México ontem, 12 dias após o tremor de 8,2 graus registrado no sul do país. O novo abalo deixou pelo menos 147 mortos. Na Cidade do México, a capital do país, 49 prédios desabaram. Numa escola foram encontrados 25 corpos, 21 deles de crianças. O tremor devastou áreas dos Estados de Morelos e de Puebla. Há cerca de 4 milhões de pessoas sem energia. O epicentro foi registrado a 57 quilômetros de profundidade, a oeste de Chiautla de Tapia. O Estado de S. Paulo escreve que o sismo foi sentido em Oaxaca, região afetada no dia 8, quando morreram 98 pessoas.