Mundo

16 anos depois, o que sabemos do 11 de Setembro?

O dia 11 de Setembro de 2001 foi marcado, nos EUA, por uma série de ataques terroristas coordenados por 19 terroristas fiéis à Al Qaeda de Osama Bin Laden.

<b>Reprodução</b> Ataque nos EUA em 2001
Reprodução Ataque nos EUA em 2001
Por Renascença - Portugal
Publicado em 11/09/2017

Neste dia, em 2001, Nova Iorque acordou para o dia mais negro da sua história. Os marcos simbólicos da sociedade ocidental foram atacados e o mundo mudou. O 11 de Setembro de há 16 anos foi o primeiro dia de um novo normal marcado por conflitos em nome da luta contra o terrorismo. Que não só não desapareceu, como continua a ser uma séria ameaça à normalidade dos nossos dias.
16 anos depois ninguém esquece o momento em que o terror entrou-nos pela televisão dentro. O dia 11 de Setembro de 2001 foi marcado por uma série de ataques terroristas coordenados por 19 terroristas fiéis à Al Qaeda de Osama Bin Laden.

Quatro aviões de passageiros atirados contra marcos simbólicos da América. Dois contra o World Trade Center em Nova Iorque, um contra o Pentágono e um quarto que, no plano terrorista, atingiria Washington, mas caiu na Pensilvânia depois dos pasageiros terem reagido aos terroristas, recordam André Rodrigues , José Luís Moreira (sonorização), da Rádio Renascença, no site Sapo (Portugal).

Há 16 anos, este foi o dia que mudou o mundo, o dia em que percebemos que a segurança não passa de uma mera noção teórica. O dia em que percebemos que o risco pode estar em qualquer lado.

102 minutos foi o tempo necessário para fazer colapsar os 110 andares das duas torres do World Trade Center. A onda de choque foi de tal ordem de grandeza que os estragos atingiram outras 10 grandes estruturas adjacentes.

2.996 pessoas morreram no conjunto dos ataques e este número inclui os 19 terroristas. Foi um dos dias mais mortíferos da história norte-americana. Também para as forças de segurança. Morreram mais de 300 bombeiros e 70 polícias.

Mas há outros números escondidos por detrás da tragédia.

3.051 crianças perderam pelo menos um dos pais no 11 de Setembro. 17 bebés nasceram de mães cujos maridos morreram nos ataques. E nove meses após o 11 de Setembro, o número de nascimentos em Nova Iorque subiu 20% em comparação com o mesmo mês em 2000.

Mas os atentados revelaram também o lado mais frágil de um lugar com um inesgotável manancial de vida. Nova Iorque tornou-se uma cidade a pedir ajuda, à procura de explicações, a consumir dependências.

De acordo com um estudo realizado por uma equipa de sociólogos norte-americanos, uma semana depois dos ataques, o consumo de álcool em Manhattan aumentou 25% em relação ao mesmo periodo no ano anterior, o consumo do tabaco aumentou 10%, o consumo da droga 3%.

E os atendimentos em igrejas e sinagogas aumentaram 20%.

Mas, e depois do 11 de Setembro? Um novo normal: habituámo-nos a um 'check-in' mais demorado nos aeroportos, passámos a aceitar que nos inspeccionem as malas de fio a pavio porque se há coisa que o 11 de Setembro revelou foi a fragilidade de um país que era considerado o mais seguro do mundo. E já agora, um dos mais honestos em matéria de defesa da democracia e dos direitos humanos.

E depois vieram as guerras no Afeganistão e no Iraque, as primaveras árabes, ascensão de grupos terroristas que reclamam o título de Estado, quando na verdade não passam de um grupo de criminosos. Esqueça a religião. Não é Estado nem é Islâmico.

E, além disso, tem sido responsável pela disseminação do medo no Iraque, na Síria, no Afeganistão, na Nigéria, na Tunísia, na Líbia, e mais perto de nós em França, na Bélgica, no Reino Unido, na Alemanha, na Suécia e aqui mesmo ao lado, em Espanha.

Na pesquisa feita através do Consórcio norte-americano para o Estudo das Causas e Consequências do Terrorismo, contam-se quase 5.000 atentados entre 2001 e o dia 31 de Dezembro do ano passado. E aqui contam-se apenas os que foram reivindicados por grupos como a Al Qaeda, o Estado Islâmico e seus sucedâneos.

http://rr.sapo.pt/artigo/93020/16_anos_depois_o_que_sabemos_do_11_de_setembro