Geral

3ª idade: 79% dos brasileiros não percebe perda muscular

Condição pode ser prevenida com adesão à atividade física, alimentação equilibrada e suplementação nutricional

<b>Reprodução</b> Envelhecimento e perda muscular
Reprodução Envelhecimento e perda muscular
Por Burson-Marsteller
Publicado em 31/10/2017

Envelhecimento: 79% dos brasileiros não percebe perda muscular com o avançar da idade, afirma pesquisa Unifesp

São Paulo, outubro de 2017 – A perda de massa muscular (sarcopenia) é um dos principais problemas que atinge as pessoas na terceira idade. Hoje, a população entre 50 e 79 anos já chega a 36.071.365 pessoas no País, segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), mas o que pouca gente sabe é que a sarcopenia tem um impacto direto na independência de muitos indivíduos, pois essa condição gera a perda de massa, força e função dos músculos, especialmente nos membros superiores e inferiores.

De acordo com pesquisa recente sobre envelhecimento realizada pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), em parceria com o laboratório Apsen, 79% dos brasileiros não perceberam a diminuição de massa muscular nos últimos cinco anos. A sarcopenia é uma condição natural do envelhecimento e todas as pessoas terão algum dia. Mas, por ser silenciosa e progressiva, especialistas alertam sobre a importância do cuidado preventivo e como é fundamental buscar o fortalecimento muscular para diminuir o risco de quedas, fraturas e internações entre as pessoas da melhor idade.

Para a Myrian Spinola Najas, nutricionista, diretora do Núcleo de Estudos Clínicos em Sarcopenia (NECS) e professora da Disciplina de Geriatria e Gerontologia da UNIFESP, no começo, a maioria dos indivíduos não percebe o impacto da perda muscular e os primeiros sinais são associados à falta de energia, vitaminas, cansaço típico da idade, flacidez ou falta de mobilidade, por isso, dificilmente desconfiam ou relacionam à condição.

“Embora seja um problema muito comum, poucos têm conhecimento sobre a sarcopenia e nem imaginam as consequências da perda muscular. O sedentarismo e alimentação inadequada, por exemplo, podem agravar a condição. Para minimizar impacto da perda de massa muscular na qualidade de vida , recomendamos a adesão de atividade física diária, uma alimentação saudável, equilibrada e com quantidade adequada de proteínas, além da utilização de suplementos nutricionais objetivando, quando necessário, o desenvolvimento de massa muscular”, destaca Najas.

O uso da suplementação nutricional é um aliado no combate a sarcopenia. Entre as opções disponível no Brasil, destaca-se o Extima que possui peptídeos bioativos de colágeno BodyBalance. Quando associado a atividade física, o suplemento auxilia o ganho da massa magra corporal, da força muscular e a redução da gordura corporal, contribuindo diretamente no combate à perda muscular. Um estudo publicado no British Journal of Nutrition revelou que o uso dessa suplementação associado a três meses de prática física favorece para o crescimento da força muscular equivalente à quantidade perdida em uma década.

“Chegar a maturidade com autonomia é o anseio de muitos brasileiros que estão envelhecendo, mas, para manter a independência nesta fase da vida exige cuidados redobrados com a saúde de maneira geral e, em especial, com a nutrição. Para isso, o ideal é buscar o auxílio de um especialista e seguir as orientações conforme a necessidade do seu corpo”, finaliza a nutricionista.

A pesquisa mostra ainda que 89% dos brasileiros afirma que manter uma alimentação saudável é crucial para, daqui a 15 anos, mesmo com tecnologias disponíveis, ter uma boa qualidade de vida e saúde. Manter atividade física constante também aparece na maioria das respostas (79%). Para 98% deles, ter um futuro saudável está diretamente ligado ao comportamento com o corpo e a com a mente que se tem hoje, informa nota à imprensa de Erika Figueiredo (Burson-Marsteller).